sábado, 25 de março de 2017

IV DOMINGO DA QUARESMA


As leituras deste domingo guiam-nos através da Luz, que é o Senhor Jesus. Se na semana passada Jesus nos matou a sede, pois só Ele é a fonte de Água Viva, hoje, quando se faz encontro, com cada um de nós, revela-se-nos como a Luz, que nos ilumina e conduz até Deus. Deixemo-nos iluminar por Ele.

Na 1ªleitura (Sam 16, 1b.6-7.10-13a) o profeta Samuel deixa-se guiar por Deus na escolha do ungido do Senhor, David. Só Deus sabe quem somos, só Deus nos conhece no mais íntimo de nós mesmos. Ele não olha às aparências, como nós fazemos, mas conhece as profundezas da nossa alma e, mesmo assim, ama-nos infinitamente. Assim, no Amor, é Ele quem nos escolhe para O servir e n’Ele estarmos ao serviço dos outros.


Na 2ªleitura S. Paulo convida-nos a vivermos segundo filhos da Luz, a deixarmos que a Luz de Cristo, por nós recebida no batismo, realize em nós obras da Luz. Neste tempo favorável da quaresma, abramo-nos à ação do Espírito Santo, despertemos, para que Ele, no mais íntimo dos nossos corações, atue, realizando obras de Luz. 

“Irmãos: Outrora vós éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor. Vivei como filhos da luz, porque o fruto da luz é a bondade, a justiça e a verdade. Procurai sempre o que mais agrada ao Senhor. Não tomeis parte nas obras das trevas, que nada trazem de bom; tratai antes de as denunciar abertamente, porque o que eles fazem em segredo até é vergonhoso dizê-lo. Mas todas as coisas que são condenadas são postas a descoberto pela luz, e tudo o que assim se manifesta torna-se luz. É por isso que se diz: «Desperta, tu que dormes; levanta-te do meio dos mortos e Cristo brilhará sobre ti».”
Ef 5, 8-14 


No Evangelho (Jo 9, 1-41) Jesus, perante os nosso olhos, realiza obras de Amor, obras de Luz: cura um cego de nascença. Ao longo deste evangelho, vemos todo um processo de crescimento, na aproximação e entrega a Deus, por parte deste homem: primeiro, é a cura física, com a perplexidade natural face ao acontecimento; depois, é a força do testemunho perante os fariseus - impressionante o desassombro com que fala do que aconteceu e desafia os "doutores da lei"; por fim, um ato de fé total, reconhecendo Jesus como o Filho de Deus - é o único culminar possível, pois este homem já estava todo entregue a Deus e através dele é o Espírito Santo que se manifesta. Deixemo-nos encontrar por esta Luz de Amor, que é o Senhor Jesus e abramos-lhe o nosso coração, para com Ele progredirmos na fé. 

Senhor, eu creio que é Jesus, o Filho do Deus Vivo. Converte-me Senhor.

domingo, 19 de março de 2017

III DOMINGO DA QUARESMA

As leituras, deste domingo, continuam a preparar-nos para a festa da ressurreição de Jesus. Hoje voltamos ao momento do nosso primeiro encontro com Jesus, somos convidados a ir à fonte de água viva, a beber dessa água, que é a única que sacia verdadeiramente: «Todo aquele que beber desta água nunca mais terá sede».


Na 1ªleitura (Ex 17, 3-7),   embora nos identifiquemos com as atitudes do povo de Israel, ao mesmo tempo, descobrimos, através de Moisés, um Deus atento aos sofrimentos do seu povo. O profeta, na oração, entra em comunhão com Deus e, confiado n’Ele, guia o povo em direção à rocha, de onde brotará a água tão desejada. Façamos como Moisés, oremos ao Senhor, em espírito e verdade, e deixemo-nos que Ele sacie a nossa sede.


Na 2ªleitura S.Paulo centra-nos no amor infinito de Deus para connosco. Só n’Ele encontramos a água que nos sacia.

“Irmãos: Tendo sido justificados pela fé, estamos em paz com Deus, por Nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual temos acesso, na fé, a esta graça em que permanecemos e nos gloriamos, apoiados na esperança da glória de Deus. Ora, a esperança não engana, porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado. Quando ainda éramos fracos, Cristo morreu pelos ímpios no tempo determinado. Dificilmente alguém morre por um justo; por um homem bom, talvez alguém tivesse a coragem de morrer. Mas Deus prova assim o seu amor para connosco: Cristo morreu por nós, quando éramos ainda pecadores.” 
Rom 5, 1-2.5-8


No evangelho (Jo 4, 5-42)  , no encontro de  Jesus com a samaritana, no poço de Jacob, vemos que Ele se faz encontrar por cada um de nós, nos vários momentos da vida. É aí, no meio de todas as situações que vivemos, que Jesus se faz presente e nos abraça, nos habita, tal qual somos, como fez com a samaritana. Tenhamos, também nós, a coragem de lhe pedir água, a Ele a fonte de água viva, deixando que faça de nós anunciadores do Amor infinito de Deus, por cada ser por Ele criado.


Senhor, dá-me de beber dessa água, que és Tu.

sábado, 11 de março de 2017

II DOMINGO DA QUARESMA

As leituras de hoje são, por um lado um desafio a continuarmos, a caminhada da Quaresma, assentes na escuta do Verbo e no cumprimento do que Ele nos diz. Por outro lado, são uma garantia de que o Filho de Deus, o Amor em plenitude, a Luz que brilha nas trevas, nos acompanha e é a nossa força, para nos levantarmos e prosseguirmos, sem medo, apoiados n’Ele. Que bom é termos a certeza de que a Glória de Deus, Jesus, o Amor absoluto e infinito pelo ser humano, nos habita por inteiro! Com Ele e n’Ele nada há a temer. Continuemos o caminho quaresmal.


Na 1ªleitura (Gen 12, 1-4ª)  Abraão desafia-nos a confiar totalmente em Deus Amor. Só em Deus é possível entregarmo-nos, de coração, ao projeto de amor, que Deus tem para cada um de nós. Só em Deus é possível vencer as vicissitudes da vida, as dificuldades da caminhada e chegar ao fim, encontrar a “terra prometida”. 


S.Paulo, na 2ª leitura (2 Tim 1, 8b-10)  faz-nos um apelo, na linha do desafio de Abraão: “Caríssimo: Sofre comigo pelo Evangelho, apoiado na força de Deus. Ele salvou-nos e chamou-nos à santidade, não em virtude das nossas obras, mas do seu próprio desígnio e da sua graça.” Apoiados em Jesus, diz-nos Paulo, é possível vencer os problemas, superar as dificuldades, amar os irmãos e realizar o projeto de Deus a nosso respeito.


No evangelho Jesus parece que percebe a necessidade que temos de “sentir Deus” e como que manifesta antecipadamente a glória de Deus, a força do Seu Amor. S.Pedro, ao seu jeito,  revela-nos que se estava ali, no alto do monte, junto de Deus, muito bem. Chega mesmo a propor a Jesus que ali continuassem. Mas Deus já tinha dito «Este é o meu Filho muito amado, no qual pus toda a minha complacência. Escutai-O». É preciso descer o monte e continuar a caminhada, agora mais fortalecidos na fé. Façamos como os discípulos, escutemos o que Jesus nos diz na Palavra de hoje, e prossigamos, de forma a deixarmos que Ele nos acompanhe, seja o nosso tudo, transfigurando a nossa vida e a dos que connosco caminham, ou se cruzam, nas estradas da vida.
"Naquele tempo, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e levou-os, em particular, a um alto monte e transfigurou-Se diante deles: o seu rosto ficou resplandecente como o sol e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz. E apareceram Moisés e Elias a falar com Ele. Pedro disse a Jesus: «Senhor, como é bom estarmos aqui! Se quiseres, farei aqui três tendas: uma para Ti, outra para Moisés e outra para Elias». Ainda ele falava, quando uma nuvem luminosa os cobriu com a sua sombra e da nuvem uma voz dizia: «Este é o meu Filho muito amado, no qual pus toda a minha complacência. Escutai-O». Ao ouvirem estas palavras, os discípulos caíram de rosto por terra e assustaram-se muito. Então Jesus aproximou-Se e, tocando-os, disse: «Levantai-vos e não temais». Erguendo os olhos, eles não viram mais ninguém, senão Jesus. Ao descerem do monte, Jesus deu-lhes esta ordem: «Não conteis a ninguém esta visão, até o Filho do homem ressuscitar dos mortos». "
Mt 17, 1-9

Eu creio que és Jesus, o Filho de Deus Vivo. Converte-me Senhor. Que Tu sejas tudo em mim.

sábado, 4 de março de 2017

I DOMINGO DA QUARESMA

No primeiro Domingo da Quaresma, todas as leituras são catequeses que nos ajudam, por um lado, a enfrentar a eterna luta entre o bem e o mal, que se trava no mais íntimo de nós próprios, mas pelo outro, a deixar que o Espírito Santo nos converta e nos encha de Deus e, assim, nos deixemos cativar pelo bem. Escutemos, com o coração aberto e o espírito desperto, a Palavra de hoje e deixemo-nos transformar por ela.


A 1ªleitura (Gen 2, 7-9; 3, 1-7) situa-nos perante o pecado. Deus criou-nos para sermos felizes, mas também nos concedeu o dom da liberdade e, na procura da felicidade, muitas vezes, esquecemo-nos de que só Deus é o Senhor da Vida e armamo-nos em donos da História. Quando rejeitamos Deus, estragamos tudo! Mas, mesmo assim, se reconhecermos o nosso pecado e pedirmos perdão, de coração arrependido, Deus corre ao nosso encontro e abraça-nos com um amor infinito, que só Ele pode dar, porque é o Amor. 


“Na 2ª leitura (Rm 5,12-19), Paulo explica a origem do pecado e da morte no mundo,contrapondo Adão e Cristo. Enquanto Adão representa o homem que escolhe ignorar as propostas de Deus e decidir, por si só, os caminhos da salvação e da vida plena, Jesus é o homem que escolhe viver na obediência total a Deus. Enquanto a escolha de Adão gera egoísmo, sofrimento e morte, a opção de Jesus gera vida plena e definitiva.” (Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa CS)  
E porque Jesus todo se entregou a Deus, n’Ele voltamos ao regaço do Pai e adquirimos a condição de filhos. Agora somos filhos no Filho, amados infinitamente por Deus. Obrigada Jesus, por teres escolhido obedecer.
"Irmãos: Assim como por um só homem entrou o pecado no mundo e pelo pecado a morte, assim também a morte atingiu todos os homens, porque todos pecaram. De facto, até à Lei, existia o pecado no mundo. Mas o pecado não é levado em conta, se não houver lei. Entretanto, a morte reinou desde Adão até Moisés, mesmo para aqueles que não tinham pecado por uma transgressão à semelhança de Adão, que é figura d’Aquele que havia de vir. Mas o dom gratuito não é como a falta. Se pelo pecado de um só todos pereceram, com muito mais razão a graça de Deus, dom contido na graça de um só homem, Jesus Cristo, se concedeu com abundância a todos os homens. E esse dom não é como o pecado de um só: o julgamento que resultou desse único pecado levou à condenação, ao passo que o dom gratuito, que veio depois de muitas faltas, leva à justificação. Se a morte reinou pelo pecado de um só homem, com muito mais razão, aqueles que recebem com abundância a graça e o dom da justiça, reinarão na vida por meio de um só, Jesus Cristo. Porque, assim como pelo pecado de um só, veio para todos os homens a condenação, assim também, pela obra de justiça de um só, virá para todos a justificação que dá a vida. De facto, como pela desobediência de um só homem, todos se tornaram pecadores, assim também, pela obediência de um só, todos se tornarão justos." 
Rom 5, 12-19

No Evangelho (Mt 4, 1-11, que é uma catequese que S.Mateus nos faz, encontramos Jesus a vencer três tentações:1- a tentação da riqueza; 2- a tentação do prestígio e da manipulação de Deus; 3- a tentação do poder. No fundo, estas três tentações parecem englobar as tentações de todos os tempos, isto é, também são estas as tentações dos nossos dias. E, acompanhando Jesus, ainda aprendemos a forma como podemos vencer as tentações: escutando a Palavra de Deus e pondo-a em prática. Para Jesus só havia uma preocupação, estar sempre em comunhão com o Pai, fazer apenas e só a Sua vontade. Este era o Seu segredo. Peçamos a Jesus que nos ensine a fazer a vontade do Pai.


Senhor, abre o meu coração à Tua Palavra. Que eu me deixe converter por Ti.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

QUARTA-FEIRA DE CINZAS


A Igreja, ao longo do ano pastoral, providencia a existência de tempos fortes na nossa caminhada para Deus. Feita a interrupção do tempo comum,eis-nos chegados a um tempo especial, favorável à conversão de coração: a Quaresma. Nos próximos 40 dias somos convidados a escutar textos, que nos ajudam, de uma forma mais profunda, a preparar a nossa festa das festas: a Ressurreição do Senhor Jesus, ou seja, a Páscoa. Deixemo-nos "refazer" pelo Senhor Deus, este ano, com uma atenção mais especial ao dom da Palavra das Escrituras e ao dom do outro, que faz parte do nosso dia a dia, ou com quem nos cruzamos ocasionalmente, como nos foi proposto pelo Papa Francisco.


No primeiro texto (Joel 2, 12-18) , que hoje nos é dado escutar, o profeta Joel faz-nos um apelo veemente à conversão de coração. «Convertei-vos a Mim de todo o coração, com jejuns, lágrimas e lamentações. Rasgai o vosso coração e não os vossos vestidos. Convertei-vos ao Senhor, vosso Deus(…)» Deixemo-nos interpelar e respondamos, com sinceridade, ao pedido do profeta. Demos, assim, início à caminhada quaresmal que nos é proposta este ano.


Na 2ªleitura, S.Paulo confirma-nos que o tempo da Quaresma, que agora somos convidados a iniciar, é o tempo favorável à conversão e convida-nos a reconciliarmo-nos com Deus. Acedamos ao seu convite: “Porque Ele diz: «No tempo favorável, Eu te ouvi; no dia da salvação, vim em teu auxílio». Este é o tempo favorável, este é o dia da salvação.” 


No Evangelho escutamos o próprio Jesus a dizer-nos como devemos viver a nossa Quaresma: fazendo jejum, dando esmola, partilhando o que Ele nos dá, com os que mais precisam e orando, mas fazendo tudo isto sem dar nas vistas, no maior anonimato possível, no segredo da nossa relação com Deus.

"Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Tende cuidado em não praticar as vossas boas obras diante dos homens, para serdes vistos por eles. Aliás, não tereis nenhuma recompensa do vosso Pai que está nos Céus. Assim, quando deres esmola, não toques a trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas, nas sinagogas e nas ruas, para serem louvados pelos homens. Em verdade vos digo: já receberam a sua recompensa. Quando deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a direita, para que a tua esmola fique em segredo; e teu Pai, que vê o que está oculto, te dará a recompensa. Quando rezardes, não sejais como os hipócritas, porque eles gostam de orar de pé, nas sinagogas e nas esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo: já receberam a sua recompensa. Tu, porém, quando rezares, entra no teu quarto, fecha a porta e ora a teu Pai em segredo; e teu Pai, que vê o que está oculto, te dará a recompensa. Quando jejuardes, não tomeis um ar sombrio, como os hipócritas, que desfiguram o rosto, para mostrarem aos homens que jejuam. Em verdade vos digo: já receberam a sua recompensa. Tu, porém, quando jejuares, perfuma a cabeça e lava o rosto, para que os homens não percebam que jejuas, mas apenas o teu Pai, que está presente em segredo; e teu Pai, que vê o que está oculto, te dará a recompensa»." 
Mt 6, 1-6.

                


Senhor que o meu coração te escute e se abra à Tua Palavra. Que eu me deixe converter por Ti.