sábado, 25 de abril de 2015

IV DOMINGO DA PÁSCOA
DOMINGO DO BOM PASTOR



Hoje as leituras tornam presente a figura do Bom Pastor. É de Jesus que todas elas nos falam, mas nesta dimensão do verdadeiro pastor, que dá a vida pelas suas ovelhas. Quando todas as leituras nos falam, tão vivamente, do amor de Deus por cada um de nós, é muito difícil selecionar só uma. Digamos que devia salientar, na íntegra, o texto das 3 leituras! 


Na 1ª leitura deste domingo (At 4,8-12) vemos como o verdadeiro Pastor, Jesus, através do primeiro pastor que legou à Sua Igreja, continua vivo e atuante junto de nós. É em nome de Jesus que S.Pedro se dirige ao homem aleijado e o cura. Jesus não nos deixou sós, está vivo e continua a cuidar, daqueles que O procuram de coração sincero, através dos que por Ele se deixaram cativar.


Só S.João para nos falar assim do amor de Deus! É belo o texto, é belo o conteúdo e é surpreendentemente belo o que havemos de conhecer um dia. 
É caso para louvarmos a Deus por tanto nos amar. Nunca agradeceremos o suficiente! 
Só Deus, que é Amor, pode amar assim. Bendito seja Deus, pelos séculos dos séculos sem fim! 

"Caríssimos: Vede que admirável amor o Pai nos consagrou em nos chamarmos filhos de Deus. E somo-lo de facto. Se o mundo não nos conhece, é porque não O conheceu a Ele. Caríssimos, agora somos filhos de Deus e ainda não se manifestou o que havemos de ser. Mas sabemos que, na altura em que se manifestar, seremos semelhantes a Deus, porque O veremos como Ele é."
1ª Jo 3,1-2.


Jesus conhece cada um de nós, no mais profundo de nós mesmos. E, sabendo do que somos capazes, Ele que chama cada um pelo seu nome,dá a vida por nós. É assim o nosso Deus, Pai, Filho e Espírito Santo, enamorado desta sua criatura, que é o ser humano, capaz do melhor e do pior. Quem tem um Deus como o nosso? É Único o nosso Deus! Vive sempre connosco, nunca nos abandona e, mesmo quando fazemos o que não devemos, ele aí está, pronto para nos levar ao colo, para nos pegar na mão e nos conduzir pelo melhor caminho. Ele está sempre à nossa espera, pronto para fazer a festa do reencontro. Nunca, mas nunca mesmo, se cansa de nós. Só deseja uma coisa, que voltemos sempre para Ele, sejam quais forem as circunstâncias da nossa vida (Jo 10,11-18).


Senhor Jesus, filho do Deus Vivo, que eu nunca duvide do Teu Amor.



Neste domingo termina a semana de oração pelas vocações e, por isso, te peço, hoje mais do que nos outros dias, que envies muitas e santas vocações para a Tua Igreja.

terça-feira, 21 de abril de 2015

Vamos a caminho do Pentecostes...

video

Embora não tenha legendas em português, mesmo assim, acho que vale a pena ver, pois muito do que é dito e escrito é texto conhecido dos Atos dos Apóstolos (At 2).

domingo, 19 de abril de 2015

52ª Semana de Oração pelas Vocações


Hoje inicia-se a semana de oração pelas vocações e somos convidados a pedir ao Senhor que envie muitos operários para a Sua Messe. Podemos, por exemplo, rezar a oração que nos é proposta este ano -2015- para esta semana:

sábado, 18 de abril de 2015

III DOMINGO DA PÁSCOA

Enquanto o tempo pascal nos vai conduzindo até ao dia de Pentecostes, as leituras vão-nos proporcionando diferentes encontros com Jesus Resuscitado. 
Na liturgia de hoje somos desafiados a testemunhar, na vida do dia a dia, onde quer que estejamos, o Amor de Jesus ressuscitado por cada um de nós. 


Na 1ªleitura S.Pedro anuncia Jesus ressuscitado e apela à conversão. Fá-lo dando continuidade aos gestos e palavras de Jesus.

"Naqueles dias, Pedro disse ao povo: «O Deus de Abraão, de Isaac e de Jacob, o Deus de nossos pais, glorificou o seu Servo Jesus, que vós entregastes e negastes na presença de Pilatos, estando ele resolvido a soltá-l’O. Negastes o Santo e o Justo e pedistes a libertação dum assassino; matastes o autor da vida, mas Deus ressuscitou-O dos mortos, e nós somos testemunhas disso. Agora, irmãos, eu sei que agistes por ignorância, como também os vossos chefes. Foi assim que Deus cumpriu o que de antemão tinha anunciado pela boca de todos os Profetas: que o seu Messias havia de padecer. Portanto, arrependei-vos e convertei-vos, para que os vossos pecados sejam perdoados»." 
At. Ap. 3,13-15.17-19.
A 2ªleitura (1Jo 2,1-5) é um apelo à corência de vida, a sermos fiéis ao amor de Jesus.


No Evangelho apercebemo-nos de que os apóstolos tiveram dificuldade em acreditar que Jesus tinha ressuscitado, que estava vivo, mas a Sua presença no meio deles acabou por  dissipar todas as dúvidas. 
Também nós somos convidados a encontrar o Senhor ressuscitado vivo no meio de nós e a deixarmos que "Ele vá abrindo o nosso entendimento para compreendermos as Escrituras".


Abre-me Senhor à Tua Palavra, ao Teu Santo Espírito, pois só assim poderei dar testemunho de Ti, na minha vida.

sábado, 11 de abril de 2015

II DOMINGO DA PÁSCOA
DIVINA MISERICÓRDIA

Neste domingo da Misericórdia, o segundo da Páscoa, instituído por João Paulo II, os textos da liturgia facilmente remetem para a misericórdia de Deus que, em Jesus Cristo nos gera para uma vida nova. É por amor que Deus nos dá Jesus; é por amor que que no-Lo devolve vivo; é por amor que assiste a Sua Igreja pelo Espírito Santo.
Pe. Manuel Gonçalves


"A ressurreição é algo de novo que nos ultrapassa. Vem de Deus, da eternidade, mas deixa marcas na história, esbarra connosco. A partir do primeiro dia da semana,tempo novo de graça e de salvação, as mulheres, os discípulos, todos os que se deixam encontrar pelo Ressuscitado transformam as suas vidas e assumem-se como verdadeiras testemunhas da boa notícia da ressurreição que nos aproxima e irmana, para sermos um só povo." 
D.António Couto, bispo de Lamego 


Neste domingo as leituras levam-nos a refletir sobre as consequências da ressurreição de Jesus nas vidas de ontem, de hoje, de sempre.  Foi assim com os primeiros discípulos e continua a ser o mesmo connosco, hoje em dia, pois também nós somos desafiados a fazer como Jesus fez.

"A multidão dos que haviam abraçado a fé tinha um só coração e uma só alma; ninguém considerava seu o que lhe pertencia, mas tudo entre eles era comum.
Os Apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus com grande poder e gozavam todos de muita simpatia. 
Não havia entre eles qualquer necessitado, porque todos os que possuíam terras ou casas vendiam-nas e traziam o produto das vendas, que depunham aos pés dos Apóstolos, e distribuía-se então a cada um conforme a sua necessidade." 
At. Ap. 4,32-35. 



No Evangelho (João 20,19-31), Tomé não estava com os outros discípulos, na comunidade, quando Jesus apareceu da 1ª vez, e depois não acreditou no que lhe foi contado, nem na palavra de Jesus, nem na dos colegas. Mas quando Jesus reaparece, com ele presente, então faz um verdadeiro ato de fé:"Meu Deus e meu Senhor". Disse-lhe Jesus: «Porque Me viste acreditaste: felizes os que acreditam sem terem visto». É na comunidade, com Jesus no meio deles ,que se dá esta reintegração de Tomé. A fé tem dimensão individual, mas também comunitária. Só em conjunto, uns com os outros, encontramos Jesus, crescemos na esperança, na caridade e fortalecemos a nossa fé. 


Eu creio Senhor, que és Jesus o Filho de Deus, que ressuscitou e vive no meio de nós.